O presidente do grupo parlamentar do PSD defende uma reflexão do parlamento sobre os processos de concessão de honras de Panteão Nacional, advertindo que é necessário consensualizar um procedimento para não descredibilizar este instituto.

«Creio que tem de se fazer uma reflexão interna no parlamento e teremos de consensualizar um procedimento para avaliar este tipo de processos e sugestões de maneira a não descredibilizar o instituto que está aqui subjacente de atribuir a concessão de honras de Panteão Nacional a personalidades relevantes da nossa vida coletiva», afirmou o líder parlamentar social-democrata, Luís Montenegro, em declarações aos jornalistas à saída da reunião da bancada.

Escusando-se a emitir uma opinião sobre a proposta deixada na terça-feira pelo socialista Manuel Alegre para a aprovação da trasladação do corpo do capitão de Abril Salgueiro Maia para o Panteão Nacional, no âmbito do 40.º aniversário do 25 de Abril, Luís Montenegro insistiu na necessidade de consensualizar «um procedimento que não faça desenvolver no país uma tentação de poder agora a cada semana ou a cada mês haver uma proposta para uma trasladação para o panteão nacional».

Contudo, acrescentou, este seu apelo não significa desrespeito pela proposta de Manuel Alegre.

Significa, acrescentou, que «nas últimas três ou quatro semanas» já se vai na terceira proposta que é feita sobre esse assunto e não parece «credível e prestigiante» discutir-se na praça pública estas questões da forma como está a ser feita.

Ainda sobre a proposta de Manuel Alegre para a transladação dos restos mortais de Salgueiro Maia para o Panteão, na quarta-feira o líder parlamentar do PS concordou que «o 25 de Abril merece honras do panteão nacional» e Salgueiro Maia será «uma das opções naturais para essa designação».

O BE também já manifestou a sua disponibilidade para debater uma eventual transladação dos restos mortais de Salgueiro Maia para o Panteão Nacional.