O ex-líder do CDS-PP José Ribeiro e Castro questionou hoje o silêncio em torno dos chamados papéis do Panamá, apelando a um esclarecimento da opinião pública por parte dos órgãos de comunicação, da Procuradoria-geral da República e do Governo.

"Está tudo silenciado, a questão desapareceu. Houve anúncios de que havia revelações extraordinárias e afinal não houve e mais ninguém fala sobre o assunto", resumiu Ribeiro e Castro, em declarações à Lusa.

O ex-líder centrista e antigo presidente da comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros começa por apelar "aos órgãos de informação nacionais que têm ligação com o consórcio internacional de jornalistas, o Expresso e TVI, para que esclareçam a opinião pública sobre porque é que o assunto deixou de merecer interesse".

No plano do Estado, dirige-se à PGR: "Houve informações de que iria tomar conta do caso. Investiga ou não investiga informações que vieram a público? Ordenou buscas e apreensões de materiais que não vieram a público? Ali há matéria que indiscutivelmente tem relevo quer do ponto de vista da investigação criminal, que de indícios tributários, e que podem ser complementares para esclarecer outros casos que estão em curso".

Ribeiro e Castro considera que o Governo devia esclarecer se houve algum esforço coordenado ao nível das instâncias europeias para o esclarecimento desta matéria e de "cooperação internacional rigorosa e muito intensa entre as diferentes autoridades nacionais e europeias".

"Não tenho suspeitas. Tenho dúvidas, tenho perplexidades. Creio que o último anúncio de que viriam revelações bombásticas sobre articulações em determinados setores e sobre redes de influência, envolvendo, aliás, jornalistas e outros setores, já têm dois meses", afirmou.

Em abril, o semanário Expresso noticiou que o Ministério Público tem em sua posse uma lista de nomes alegadamente envolvidos em pagamentos da ES Enterprises, a sociedade 'offshore' [paraíso fiscal] do Grupo Espírito Santo (GES), incluindo jornalistas, levando a que o Sindicato dos Jornalistas pedisse a divulgação desses nomes.

A direção do Expresso esclareceu na altura que os nomes dos jornalistas envolvidos na investigação judicial relacionada com o designado "saco azul do GES" só serão revelados quando o trabalho de investigação estiver concluído, "mas nunca antes disso".