O ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia vai estar esta quarta-feira em algumas das zonas mais afetadas pelo mau tempo no norte do país para avaliar estragos e falar de medidas de proteção do litoral.

Nas últimas 48 horas a forte agitação marítima provocou estragos um pouco por toda a costa, razão que leva hoje Jorge Moreira da Silva e o secretário de Estado do Ambiente, Paulo Lemos, a visitarem praias dos concelhos de Ovar, Ílhavo e Figueira da Foz.

Jorge Moreira da Silva esteve já no concelho de Ovar onde prometeu destinar um quinto dos fundos comunitários à proteção de pessoas e bens.

Em Ovar, disse o presidente da Câmara, Salvador Malheiro, os governantes vão averiguar os estragos e equacionar medidas de urgência para a praia do Furadouro.

A autarquia estimou como avultados os prejuízos na costa de Ovar, especialmente em Cortegaça e na praia do Furadouro, onde vivem cerca de 2000 pessoas.

Em Ílhavo o que suscita maiores preocupações é a praia da Barra, onde nos últimos dias o mar destruiu um bar de apoio e parte do passadiço construído no ano passado.

As ondas gigantes dos últimos dias provocaram danos materiais em diversos locais da costa portuguesa, de Caminha, Esposende, Porto ou Matosinhos à Ericeira, Pedrógão (Leiria), Peniche ou São Pedro de Moel (Marinha Grande).

Na região da grande Lisboa foram afetadas zonas ribeirinhas de Sintra, Carcavelos, Cascais ou Costa de Caparica mas a região sul também não foi poupada, com notícias de estragos em Vila Nova de Mil Fontes (Odemira), Sagres e Portimão, entre outros locais.

Para esta quarta-feira estão previstas ondas entre quatro a seis metros na costa ocidental, diminuindo gradualmente para três a quatro metros.