O PS garantiu esta terça-feira que «não descansará enquanto o IVA da restauração não descer para os 13%» e que no início da próxima sessão legislativa e na discussão do Orçamento para 2014 voltará a apresentar propostas neste sentido.

«Nós, logo que se inicie a próxima sessão legislativa, em setembro, voltaremos com toda a certeza a dar prioridade a este tema, se não o conseguirmos logo em setembro, teremos em outubro também a discussão do Orçamento do Estado para 2014 e esta questão vai ser novamente suscitada», afirmou o socialista Óscar Gaspar.

O assessor económico do PS falava aos jornalistas no final de uma reunião do secretário-geral socialista, António José Seguro, e da direção do partido com a Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP).

«Não descansaremos enquanto o IVA da restauração não descer para os 13%», assegurou Óscar Gaspar.

O membro da Comissão Nacional do PS referiu que «no último ano e meio foram destruídos cerca de 75 mil postos de trabalho» no setor da restauração e que «a AHRESP tem a informação segura de que se podem perder mais 30 mil postos de trabalho» até ao final do ano.

«Esta situação é inaceitável (...) o PS comprometeu-se hoje de que não deixará este tema pela importância que a restauração tem para a economia nacional e porque nos preocupam os postos de trabalho que podem ser perdidos», afirmou.

Interrogado sobre a posição do CDS-PP, que já defendeu a descida deste imposto no curto prazo, o socialista lembrou que a maioria chumbou na semana passada uma proposta do PS para reduzir o IVA da restauração para 13%.

«Uma coisa é a eventual retórica política, outra são os factos políticos. Na prática, quer nos diversos orçamentos, quer face a uma proposta muito concreta do PS, a verdade é que a chumbaram (a medida)», observou.

Gaspar referiu ainda que «é habitual» o Governo «reagir a diversas vozes», mas que a posição "tem sido de inflexibilidade".