Notícia atualizada às 17h34

O PS adiantou esta quinta-feira que irá votar contra o orçamento retificativo apresentado pela ministra das Finanças, cujas «dúvidas» levam os socialistas a questionar se o Governo poderá estar a preparar um «terceiro» documento.

«Este orçamento retificativo é confirmatório da má política orçamental do governo. Não terá outro voto que não o voto contra», afirmou Eurico Brilhante Dias, em reação na sede do PS aos dados do orçamento retificativo apresentados hoje pela ministra das Finanças.

O membro do Secretariado Nacional do PS destacou que as dúvidas hoje apresentadas por Maria Luís Albuquerque «quanto ao BES, à privatização dos transportes públicos e ao programa de rescisões» levam o PS a lançar a pergunta: «está o governo a preparar o terceiro retificativo?».

«Perante tantas dúvidas, com expressão tão significativa nas contas públicas, e com tantas dúvidas que foram apresentadas pela ministra de Estado e das Finanças, a única pergunta que fica é: está o governo a preparar o terceiro orçamento retificativo do ano?», atirou Brilhante Dias.

A ministra das Finanças anunciou que a perspetiva do Governo é que a taxa de desemprego se fixe nos 14,2% e que a economia cresça 1% este ano. A receita fiscal e a receita da Segurança Social também são revistas, prevendo-se agora que aumentem 0,7% e 0,3% do PIB, respetivamente.

Para o socialista, a taxa de desemprego «tem vindo a cair por causa do emprego público, ou financiado através de fundos públicos, como é o caso dos estágios profissionais» para além dos «muitos portugueses [que] têm abandonado o país para procurar a sua sorte noutros destinos».

«Os Verdes»: retificativo é «mais do mesmo»

O Partido Ecologista "Os Verdes" disse que o orçamento retificativo apresentado pelo Governo é «mais do mesmo», sem vislumbre de uma «luz ao fundo do túnel» para a economia e o país.

«Este orçamento retificativo é mais do mesmo. Isto é, o Governo ratificou um orçamento de austeridade, com medidas de austeridade», disse Manuela Cunha, da comissão executiva do partido.

A dirigente do partido ecologista falava no parlamento, no dia em que o Governo anunciou que o orçamento retificativo contempla uma revisão do cenário macroeconómico para 2014 com impacto positivo nas contas públicas, como o ajustamento em baixa da taxa de desemprego e em alta do crescimento da economia.

«Neste orçamento não se vê uma única luz ao fundo do túnel no sentido de dinamizar a economia, no sentido de relançar o país. O que vemos é mais e mais austeridade, nomeadamente a contribuição obsessiva de ataque aos serviços públicos», sublinha Manuela Cunha, de «Os Verdes».

BE assinala revisão em baixa da economia no retificativo

O Bloco de Esquerda (BE) lembrou que o segundo orçamento retificativo de 2014 traz uma revisão em baixa da economia e antecede a reposição de cortes salariais na administração pública.

«O Governo o que faz é rever em baixa aquele valor que há pouco mais de três meses tinha apresentado ao país. Dizia que a economia ia crescer 1,2% em 2014 e esse crescimento é agora revisto em baixa para 1%», sublinhou o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, em declarações aos jornalistas no parlamento.

Para o BE, «é incompreensível» que o Governo, «que diz que a economia pode crescer - mesmo abaixo do previsto - com base no mercado interno» venha «já na próxima semana ter medidas de austeridade de cortes de salários».

Pedro Filipe Soares referia-se à discussão e votação agendada para a próxima semana no parlamento sobre a reposição de cortes salariais na função pública.