O líder parlamentar do PS considerou, esta terça-feira, que a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2015 é de continuidade face às anteriores e de «esgotamento do país», pelo que os socialistas dificilmente deixarão de votar contra.

Ferro Rodrigues falava na Assembleia da República, no final de uma reunião com os ministros das Finanças, Maria Luís Albuquerque, e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, destinada à apresentação das linhas gerais da proposta orçamental do Governo.

Questionado se o PS se inclina para votar contra a proposta de Orçamento do Estado para 2015, Ferro Rodrigues respondeu: «Parece-me que muito dificilmente acontecerá o contrário».

«Mantemos os orçamentos da troika sem estar a troika»

O PCP defendeu que o Orçamento do Estado para 2015 vai dar continuidade a uma «política de empobrecimento» e que «hipotéticas devoluções fiscais» em 2016 não compensam a redução de rendimentos.

De acordo com o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, nesta reunião comprovou-se «a insistência do Governo na mesma política de empobrecimento, que não é compensada com estes pequenos anúncios de devoluções das sobretaxas para 2016».

«Mantemos os orçamentos da troika sem estar a troika presente no país. A perspetiva do saque aos rendimentos dos trabalhadores, dos reformados mantém-se», afirmou.

BE acusa Governo de roubar aos pobres para dar aos muito ricos

O líder parlamentar do BE defendeu, esta terça-feira, que o Orçamento do Estado para 2015 mantém o «esbulho fiscal», numa «inversão da política de Robin dos Bosques», tirando aos pobres para dar aos «muito ricos», através da descida do IRC.

«A par de manter o ataque às famílias através do IRS, que é o mais elevado de sempre, vai reduzir o IRC sobre os grandes grupos económicos. É a inversão da política de Robin dos Bosques. O Governo tira aos pobres para dar aos muito ricos», afirmou Pedro Filipe Soares aos jornalistas.

Questionado sobre a revisão do valor do défice, de 2,5 para 2,7%, Pedro Filipe Soares respondeu: «O défice tem sido um argumento para impor a autoridade sobre as pessoas mas este Orçamento não é tão diferente dos anteriores».

Verdes destacam «enormíssima carga fiscal»

A deputada de «Os Verdes» Heloísa Apolónia defendeu hoje que o Orçamento do Estado para 2015 mantém a «enormíssima carga fiscal», estando a opção do Governo de baixar o IRC ao serviço dos «interesses dos grandes grupos económicos».

«O Orçamento do Estado para 2015 será um Orçamento do Estado da continuidade da brutal austeridade. A enormíssima carga fiscal e os cortes salariais continuam e o Governo não dá mostras de um alívio relativamente ao peso sobre os orçamentos familiares», afirmou Heloísa Apolónia aos jornalistas.