O primeiro-ministro, no debate quinzenal desta quarta-feira, que não se pode usar uma «cinta», mas emagrecer efetivamente. Constança Cunha e Sá, no seu comentário na TVI24, afirmou que «o que emagreceu e bem foi o bolso dos portugueses».

«O que emagreceu e bem foi o bolso dos portugueses», disse a comentadora que vê que «todo o nosso ajustamento é feito à custa do empobrecimento». Pelo contrário, «vê o emagrecimento nas famílias e nas pessoas, mas não no Estado». Uma consequência de «não ter havido uma reforma da administrativa pública».

Constança Cunha e Sá conclui que o «Governo não governa».

«Vejo um país bloqueado e um governo paralisado», afirmou.

Na análise ao debate, Constança Cunha e Sá revelou que «não percebe como é que ele não está a negociar com a troika, quando esta exige que em 2015 haja doses suplementares de cortes».

E a comentadora deu o eemplo: «A prova de que está a negociar com a troika é o anúncio que ele fez que os salários e as pensões não vão voltar aos níveis de 2011».

Constança Cunha e Sá lembrou que Passos Coelho «andou a dizer o contrário: que os cortes eram provisórios».

«Os cortes sejam estes sejam outros que ainda venham a inventar são para ficar e isso obviamente foi negociado com a troika».

Mais: «Vai haver cortes definitivos nos salários e nas pensões. E, no privado, por arrasto», ou seja, «a ideia de que o governo vende de que o modelo económico em Portugal não assenta em salários baixos é mentira.

A comentadora também não deixou analisar o incidente entre Passos Coelho e O Bloco de Esquerdo. Constança Cunha e Sá classifica-o como uma «birra» do primeiro-ministro e pergunta-se se ele vai deixar de falar no Parlamento.