Constança Cunha e Sá disse, esta sexta-feira, na TVI24, que o caso Tecnoforma deixa «uma mancha» no perfil político de Pedro Passos Coelho. No dia em que o primeiro-ministro prestou esclarecimentos na Assembleia da República, a comentadora considerou que o chefe de Governo não deu as explicações que devia, ao contrário do que afirmou o Presidente da República.

«Não concordo com o Presidente da República. Não acho nada que todas as questões tenham ficado resolvidas», começou por dizer Constança Cunha e Sá. 

No espaço de análise nas «Notícias às 21:00», a comentadora sublinhou que Passos Coelho «explicou algumas coisas», mas «não explicou bem e ficaram algumas dúvidas por esclarecer». Por exemplo: Passos Coelho disse que não recebeu vencimentos de uma ONG ligada à Tecnoforma, mas sim despesas de representação, mas «não se ficou a saber que relação o deputado Passos Coelho tinha com a tal ONG» financiada pela Tecnoforma. 

«Também é estranho que ele [Passos Coelho] não saiba dizer quanto é que é o valor» dessas despesas de representação, «que não diga claramente que os valores apresentados pela denúncia anónima [150 mil euros] são claramente disparatados», disse ainda a comentadora. 

Para Constança Cunha e Sá, falta saber se o caso Tecnoforma fica ou não encerrado. «Se isto ficar por aqui, eu acho que o assunto de certa forma fica um pouco arrumado, deixa uma mancha no perfil político de Passos Coelho», concluiu.