Constança Cunha e Sá acusou, esta quinta-feira, o Governo de ser especialista numa linguagem que coloca «funcionários públicos contra privados, velhos contra novos e novos contra velhos». Na TVI24, a comentadora considerou «inaceitável» a quantidade de cortes que têm recaído sobre os pensionistas e criticou a insensibilidade de quem alinha no discurso do «conflito de gerações».

«Estamos a falar de pessoas com uma idade em que não podem alterar o seu rumo de vida (...). É absolutamente escandaloso que, diante desta realidade, haja pessoas que venham falar de conflitos de gerações, dizendo que estas gerações mais velhas estão a prejudicar as gerações mais novas porque essas, sim, quando chegarem à idade da reforma vão ter uma reforma inferior», disse a comentadora, no espaço de análise nas «Notícias às 21:00».

«Eu acho isto escandaloso. Porque só falta dizer então que os reformados são uns parasitas e são uns sanguessugas do Estado, que estão a prejudicar as gerações mais novas», acrescentou.

No que diz respeito ao período pós-troika, Constança Cunha e Sá afirmou que « só um louco, nesta altura do campeonato, é que pode achar que a saída limpa é a melhor saída para Portugal».