Francisco Assis concorda com o manifesto para a reestruturação da dívida que foi subscrito por mais de 70 individualidades e que foi bastante criticado por Paulo Rangel no programa Prova dos 9 da TVI24.

«Não fui convidado mas, se fosse, teria subscrito o manifesto. Custos? Não há soluções ótimas. Não é tão importante saber como vamos sair, a questão fundamental é como vamos abordar o momento pós-troika», afirmou o cabeça-de-lista do PS ao Parlamento Europeu.

Já o «adversário» na corrida às europeias disse que Portugal não está em condições de «defender um perdão de dívida, que é o que está logo à cabeça do manifesto». «Não é por acaso que o PS a primeira coisa que disse foi que não se revê na reestruturação», acrescentou Rangel.

Fernando Rosas defendeu que é preciso atacar «o monstro da dívida» e acusou o primeiro-ministro de «mentir» sobre os números do crescimento.