Manuela Ferreira Leite considerou que podem não ser necessárias medidas substitutivas ao chumbo do tribunal constitucional uma vez que o governo abdicou da última tranche.

«Para ser necessário era necessário que estivéssemos à espera da tal tranche e a tal tranche, a última parte do empréstimo, para vir tinha que cumprir determinadas regras e essas regras tinham que ser cumpridas e como foram aquelas medidas reprovadas agora tínhamos que que ir buscar outras. Já nem sequer precisamos dessa tranche, portanto já temos um caminho, não digo que livre completamente, evidentemente, mas muito menos preocupação para conseguirmos atingir os nossos objetivos», afirmou.

À TVI24, a antiga-ministra das Finanças ressalva ainda o facto de os mercados não terem reagido.

«No meu ponto de vista, aquilo que eu vejo é que os mercados não reagiram e se não reagiram quer dizer que não ligam tanto, quanto nós ligamos», concluiu.