Constança Cunha e Sá disse, esta segunda-feira, na TVI24, que o ministro dos Negócios Estrangeiros é o «bobo da corte» do Governo que, ao dizer «verdades», é depois «atacado por toda a gente».

Rui Machete disse domingo, na Índia, que um segundo resgate a Portugal «é evitável», desde que as taxas de juro a 10 anos igualem ou fiquem abaixo dos 4,5%. Na análise do que considera ser mais um «desastre» de um governante que já provou não estar à altura do lugar, Constança Cunha e Sá concluiu que o ministro «acaba por dizer o que ouve no Conselho de Ministros».

«É de uma irresponsabilidade total vir dizer que se Portugal não tiver juros abaixo de 4,5% tem pela frente um segundo resgate», afirmou a comentadora no espaço de análise nas «Notícias às 21:00». «Rui Machete, no fundo, nestas coisas, tem-se mostrado um pouco, de certa forma, o bobo da corte, que dizendo verdades depois é atacado por toda a gente», continuou.

Para Constança Cunha e Sá, «em última análise, Rui Machete disse uma evidência».

A comentadora explicou que o Governo e a troika já perceberam que Portugal não vai regressar aos mercados. «E uma das razões porque não vamos regressar aos mercados é porque temos juros altíssimos (...). Portanto, a suspeita que aqui fica é que Rui Machete acaba por dizer o que houve no Conselho de Ministros, aquilo que lhe dizem (...)», concluiu, numa crítica à falta de coordenação e de uma linha de rumo no Governo.