Augusto Santos Silva saudou a apresentação de um manifesto assinado por 74 individualidades que defende uma reestruturação da dívida e acusou Passos Coelho de se estar a afastar do consenso pedido pelo Presidente da República.

«A resposta do primeiro-ministro foi desastrada e demasiado radical. Ao responder assim, matando qualquer possibilidade de discussão antes mesmo de o manifesto ser formalmente apresentado, o primeiro-ministro está a colocar-se fora de um consenso possível na sociedade portuguesa», afirmou, na TVI24.

Para o socialista, é Passos que está «a contribuir para que se forme uma imagem» negativa de Portugal no exterior. «É o fanatismo de Passos e a demagogia de Portas que nos impendem de ter a nossa posição mais bem defendida no contexto europeu», acrescentou.

«Esta combinação vai colocar o Governo de fora quer deste consenso que se forma, quer mesmo de fora do apelo de Cavaco» ao consenso.

Ao ver Manuela Ferreira Leite e dois consultores de Cavaco assinarem o manifesto, Santos Silva conclui que «o cavaquismo» também deseja uma «reestruturação responsável dentro da zona euro».