Marcelo Rebelo de Sousa considera que a comemoração do 25 de Abril foi uma «oportunidade perdida». Para o comentador da TVI, nem na Assembleia da República nem no Largo do Carmo existiu distanciamento histórico para comemorar a data com a dignidade que merecia.

«O que se passou na Assembleia da República foi uma oportunidade perdida, mas também o que se passou no Largo do Carmo, porque Vasco Lourenço não falou do passado, não falou do futuro, falou sobre o presente. E sobre o presente disse aquilo que já sabíamos que ele pensa... por que é que o Governo está mal, por que é que as autoridades estão mal, por que é que o 25 de Abril está mal... E é uma pena que não tenha havido distanciamento histórico para olhar para o balanço de 40 anos tão diferentes, em que acaba um ciclo imperial de 500 anos, que se entra na Europa comunitária, em que se constrói uma democracia no poder central e no poder local, em que se constrói uma nova economia, e depois os portugueses perguntam como é para o futuro, o que há?. Portanto, é uma pena haver organizações paralelas, divergentes, foi sobretudo uma pena não haver discursos para a história. Olha-se para aqueles discursos, e o que se aproxima um pouco mais é o do Presidente, mas não há um discurso histórico numa ocasião histórica, um em que as pessoas passados dois dias retenham uma frase, ficou pouca coisa», afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, neste domingo, em direto de Roma, onde se deslocou para assistir à canonização dos papas João XXIII e João Paulo II.

«Seria uma ilusão pensar que o Governo não tomaria medidas eleitorais»

«PR tenciona fazer algo mais para o consenso ou não vai tentar mais?»