No habitual comentário na TVI24, esta noite, Augusto Santos Silva deixou várias críticas ao Governo quando à apresentação do Documento de Estratégia Orçamental (DEO).

«Há a constatar três factos objetivos: o primeiro é que Nossa Senhora de Fátima não está a intervir desta vez. Segundo o nosso Presidente foi a ela que se deveu o fecho da sétima avaliação, evidentemente que a elaboração do DEO tem ligação com o andamento da 12.ª avaliação. Aparentemente, NS Fátima ainda não decidiu intervir porque estou certo que no segundo imediato à sua decisão o DEO estará fechado. O segundo facto que conta é que o Conselho de Ministros para aprovar o DEO começou ontem à tarde. De manhã houve um primeiro Conselho com todos os ministros, mas verdadeiramente o processo de decisão deve ter começado à tarde no Ministério das Finanças. Primeiro no interior do Governo e depois com a troika, e este é o terceiro facto que devemos constatar. Ao contrário do que diz a Constituição neste Conselho de Ministros que está a fechar o DEO intervêm agentes estrangeiros, um em nome do FMI e dois em nome das instituições europeias (UE e BCE)».