Constança Cunha e Sá criticou, esta segunda-feira, a visão que o Governo tem da Educação. No dia em que o primeiro-ministro reconheceu que o país ainda está a recuperar de atraso do sistema educativo e em que considerou preocupante a menor procura de cursos superiores de áreas tecnológicas, num discurso em que contrapôs a «chamada salsicha educativa» à qualidade do ensino, a comentadora disse na TVI24 que a metáfora «assenta bem ao Governo».

Ao utilizar a metáfora da salsicha, Pedro Passos Coelho está a criticar o facilitismo e «uma série de erros do passado que o primeiro-ministro acha que está a corrigir», começa por dizer Constança Cunha e Sá, no espaço de análise nas «Notícias às 21:00». Para a comentadora, é «sinistro» que Passos Coelho «ache que está a corrigir alguma coisa na Educação».

A chamada salsicha educativa «é uma metáfora que assenta bem ao Governo», porque «mostra qual é a visão que o Executivo tem sobre a Educação» e, mais grave do que isso, ilustra «o discurso do próprio primeiro-ministro» sobre o tema, defende.

Para a comentadora, a preocupação de Passos Coelho com o financiamento público de cursos superiores com fraca empregabilidade coloca a questão de saber se, para o primeiro-ministro, os cursos de Humanidades, de Ciências Sociais devem acabar e não ter financiamento público. «Esta ideia de que as universidades e a ciência servem apenas a economia e as empresas é uma ideia da qual discordo completamente e que se vê que não dá resultados neste país», conclui.