Um documento para tapar buracos no Orçamento do Estado, sem pensar a longo prazo. Na análise ao Documento de Estratégia Orçamental (DEO), Manuela Ferreira Leite deixou críticas também ao destino das verbas conseguidas com mais este aumento de impostos.

Ferreira Leite destaca, desde logo, a contradição do documento que deveria conter as linhas orçamentais para os próximos quatro anos, mas está sobretudo focado no ano que vem. «Se conseguir ver alguma coisa que lá esteja relacionado com 2018, eu agradecia», disse a comentadora na TVI24.

E quanto às medidas já conhecidas, a comentadora critica que tenham «um critério meramente contabilístico e orçamental».

O aumento do IVA destinado à Segurança Social não é para Ferreira Leite um conceito social-democrata, transformando os impostos numa esmola e o sistema assistencialista.

A ex-ministra das Finanças continua ainda à espera da Reforma do Estado prometida pelo Governo.