Augusto Santos Silva disse, esta terça-feira, na TVI24, que o Governo não tem razão nenhuma para fazer um balanço positivo do programa de reformas estruturais.

Na rubrica «Os Porquês da Política», no «Programa Política Mesmo», o comentador apontou que, do ponto de vista da consolidação orçamental, a dívida aumentou para 134% em meados de 2014. Santos Silva referiu também que, de acordo com as previsões oficiais, o défice para 2014, a três meses de acabar o ano, pode oscilar entre 4 e 10%.

Ainda para reforçar a ideia de que o Executivo não tem razão para fazer balanços positivos, o comentador apontou um segundo pilar «muito importante do programa» de resgate, que era o reforço do sistema financeiro, para referir que os factos recentes «falam por si». «Depois de 12 mil milhões, dos 78 mil milhões emprestados ao país, terem sido cativados expressamente para a recapitalização da banca, depois de os bancos terem sido sujeitos a sucessivos testes de stresse, depois de um deles, o Banco Espírito Santo, ter entendido que não precisava sequer de recorrer à recapitalização com apoio estatal, o BES caiu em cima de todos nós, com fragor», realçou.

Augusto Santos Silva aproveitou para dizer que o comportamento do Presidente da República, em todo o caso BES, foi «lamentável».