Marcelo Rebelo de Sousa diz que a polémica em torno da não venda da coleção Miró só vem provar que Portugal «é uma república das bananas». Para o comentador da TVI, o mesmo Estado que quis vender os 85 quadros do pintor catalão e que promoveu a venda não cumpriu a lei.

«Quando um particular quer pôr uma peça lá fora e o Estado não tem dinheiro para impedir que elas saiam com valor patrimonial cultural precisa de autorização da Secretaria de Estado da Cultura. E há regras a cumprir, lei a cumprir. E o Estado não cumpriu as regras. Nem o Ministério das Finanças nem a Secretaria controlaram o respeito da legalidade a tempo do comportamento da Christie's que teoricamente deveria ter atuado 'chave na mão'. Chegamos à conclusão que isto é uma república das bananas. Os portugueses à espera que aquilo seja vendido para seu bem e não é vendido na altura devida por causa do Estado, não é da leiloeira. E agora há males que vêm por bem. Agora dá tempo para, primeiro, ver se é de ficar com alguns ou vender todos; rever o preço, se é para vender em pacote ou não; cumprir a lei para não correr o risco de os lotes serem retirados novamente. É para vender? Então não façam esta figura ridícula e vendam bem. O Governo não faça esta figura ridícula, em que a ministra das Finanças não sabe, o secretário de Estado da Cultura soube tarde, a diretora-geral tinha uma opinião contrária e a Parvalorem diz que deu 'chave na mão' à Christie's, como se a leiloeira se devesse substituir ao Estado português na resolução dos seus problemas», criticou Marcelo Rebelo de Sousa, neste domingo, no Jornal das 8.