Constança Cunha e Sá criticou, esta quinta-feira, o relatório da Comissão Europeia que aponta uma «falta de estratégia a longo prazo» de Portugal. Na TVI24, a comentadora falou em «má-fé» e disse que o documento que recomenda uma reforma permanente das pensões e a revisão de salários é apenas «mais do mesmo».

Defendendo que o relatório agora apresentado pela Comissão Europeia, pouco acrescenta a um outro já apresentado pelo FMI, Constança Cunha e Sá chamou a atenção para o ponto particular do documento em que a Comissão Europeia «reconhece» que a única estratégia que existe no Governo é em relação ao fim do ajustamento. Para a comentadora, a Comissão Europeia não tem moralidade para fazer tal reparo.

«A Europa não tem [uma estratégia] nem a relação a si própria, e muito menos em relação aos países onde intervém, nomeadamente em Portugal», apontou a comentadora.

Para Constança Cunha e Sá, a prova de que a crítica da Comissão Europeia ao Governo português é «feita um pouco de má-fé» é que, depois, «os mesmos técnicos que dizem que notam uma ausência de uma estratégia a médio prazo, chamam a atenção para a necessidade de um consenso pós-troika».

«Ficamos a saber que para a Comissão Europeia esse consenso é assente em coisa nenhuma. Porque, se não há uma estratégia, como pode haver um consenso sobre algo que não existe?», questionou. «No fundo é mais do mesmo e ficamos sem perceber o que vai acontecer em relação aos salários, às pensões e aos impostos», rematou.

Vídeo: o comentário de Constança Cunha e Sá na íntegra