Constança Cunha e Sá salientou, esta quarta-feira, que é impossível que Portugal regresse aos mercados sem apoio. No dia em que a discussão sobre a necessidade de um 2º resgate ou de um programa cautelar dominou o debate quinzenal no Parlamento, a comentadora da TVI24 acusou o Governo e a troika de «fazerem de conta» que o programa de ajustamento é um «fantástico sucesso».

No espaço de análise nas «Notícias às 21:00», Constança Cunha e Sá considerou «curioso» que a questão do programa cautelar tenha sido levantada pelo próprio Governo, com afirmações contraditórias até por parte do próprio primeiro-ministro, que ora diz que está previsto um pedido de ajuda, ora afirma que não está previsto.

«Esta hipótese é impossível, como é óbvio. Já toda a gente percebeu que é impossível regressarmos aos mercados sem qualquer tipo de apoio. Aliás, a própria ministra das Finanças disse que estava prevista uma ajuda porque (...) não passa pela cabeça de ninguém que Portugal daqui a seis meses esteja em condições de ir aos mercados sem apoio. Isso é completamente impossível: basta ver as taxas de juro que estamos a pagar», referiu a comentadora.

Para Constança Cunha e Sá, aquele discurso do Executivo tem um propósito: «O Governo está a tentar mostrar que, no fim do ajustamento, não vamos regressar aos mercados (vamos regressar com apoio, com o programa cautelar), mas isso, em vez de ser um fracasso, é um fantástico sucesso. Não temos um 2º resgate, a coisa podia ser muito pior».

«Portanto estamos aqui a fazer um jogo de que um programa cautelar é uma coisa fantástica, só que não é. (...) Sendo pior um segundo resgate, o programa cautelar exige condições (...) e a política de austeridade mantém-se igualzinha. (...) A ideia é: vamos fazer aqui um faz de conta porque até lá, até se confirmar o desastre, pode ser que aconteça qualquer coisa. Não se sabe o quê (...) Uma das coisas que não vai acontecer de certeza é regressarmos aos mercados sozinhos. Isso é impossível», rematou a comentadora.