Constança Cunha e Sá comentou o abrandamento da economia portuguesa no primeiro trimestre do ano e afirma que ficou provado que «a retoma tem pés de barro».

No comentário habitual na TVI24, Constança afirma que ficou evidente que a retoma da economia é bastante frágil, uma vez que bastou o encerramento da refinaria de Sines para que o bom desempenho das exportações caísse.

A comentadora da TVI afirmou, ainda, que este abrandamento e consequente aviso de Bruxelas sobre um possível segundo resgate, prova que a vida dos portugueses não vai ficar mais fácil e que a austeridade vai continuar na ordem do dia, mesmo com a saída da troika de Portugal.

«No fundo esta saída brilhante da troika, não é uma saída limpa, é um a espécie de intervalo em que vamos ter de continuar a fazer exatamente o mesmo que temos feito até agora com troika, ou sem troika, (a austeridade é para continuar) sem sabermos sequer se daqui a um ano ou dois (...) vamos parar a um segundo resgate».