A comentadora da TVI24, mostrou-se esta segunda-feira cética e pouco crente nos resultados da reunião entre Passos Coelho e António José Seguro que decorre esta segunda-feira em São Bento.

Constança Cunha e Sá «não» tem nenhuma expetativa em relação ao encontro, «a não ser que haja um milagre».

«Acho que isto se insere numa novela algo já desgastada que temos vindo a assistir», disse.

E acrescentou: «É uma encenação sofisticada em que tanto Governo como PS tentam empurrar um para o outro a responsabilidade de não haver consenso, embora as duas partes reconheçam que não é possível haver consenso. E, enquanto essa paternidade não é reconhecida, nós vamos sendo bombardeados com declarações inflamadas sobre o interesse nacional e a necessidade do consenso, tudo isto à mistura com acusações de falta de responsabilidade e falta de patriotismo».

A comentadora afirmou que «o consenso que o Governo quer é o consenso estabelecido pelo Governo, ao qual não admite qualquer desvio».

«A reação ao Manifesto dos 70 teve a vantagem de mostrar que o Governo não está disposto nem disponível a discutir seja o que for do caminho que o próprio Governo traçou», no que respeita, desde logo, à negociação da dívida.

«Nós vamos seguir um caminho que é único e inevitável de empobrecimento e que tem de ser seguido durante os próximos 20 anos», conclui Constança Cunha e Sá.

«Não temos margem de manobra nenhuma com a troika» e «não espero nada deste encontro», acrescentou a analista.