Os vereadores eleitos pelo PS e pelo PSD para o executivo da Câmara de Oeiras não vão aceitar qualquer pelouro no executivo de Paulo Vistas, já a CDU não exclui essa possibilidade.

O movimento independente Isaltino Oeiras Mais À Frente (IOMAF) venceu as eleições autárquicas de 29 de setembro com 33,45 por cento dos votos, elegendo cinco vereadores, contra os seis vereadores eleitos pelos partidos da oposição: três do PSD, dois do PS e um comunista.

O candidato do PSD à Câmara de Oeiras, Francisco Moita Flores, bem como o seu diretor de campanha e líder da concelhia social-democrata oeirense, Alexandre Luz, afirmaram hoje à agência Lusa que não vão aceitar qualquer pelouro na autarquia mas irão desempenhar as funções de vereadores da oposição.

«É com profunda honra e alegria que os eleitos nas listas do PSD para os órgãos autárquicos nas últimas eleições aceitam o mandato que os eleitores de Oeiras decidiram conferir-lhe e que vamos assumir no cumprimento estrito e nos limites em que ele nos foi outorgado nas urnas», refere Moita Flores numa declaração escrita enviada à Lusa.

Alexandre Luz confirmou que os eleitos do PSD irão apenas ser «uma oposição responsável, que promova uma gestão mais transparente e mais virada para as pessoas».

Já o cabeça-de-lista do PS nas últimas eleições, Marcos Sá, vai propor ao novo presidente da câmara três condições para contar com o apoio dos socialistas: «apoio domiciliário aos idosos, garantia do primeiro emprego aos jovens e apoio às famílias e trabalhadores para garantir a coesão social».

«Se o doutor Paulo Vistas apresentar, no orçamento da autarquia, estas três apostas pode contar com o nosso apoio em voto», disse Marcos Sá à agência Lusa, assegurando, contudo, que o PS não irá aceitar qualquer pelouro na Câmara Municipal.

Quanto à CDU, segundo o vereador e candidato nas eleições autárquicas de 29 de setembro, Daniel Branco, deixa uma «porta aberta» para a aceitação de pelouros.

«A CDU está disponível para trabalhar no coletivo. Ainda não houve nenhuma conversa nesse sentido, mas é importante que o máximo de elementos da Câmara de Oeiras estejam integrados no trabalho», afirmou Daniel Branco, sublinhando que «a aceitação de pelouros não significa que o partido fique sem autonomia».

Paulo Vistas tomou posse como presidente da Câmara de Oeiras na terça-feira à noite, neste que será o seu primeiro mandato como tal, depois de já ter assumido funções de presidente desde 24 de abril, dia em que Isaltino Morais foi preso por fraude fiscal e branqueamento de capitais.