Sem adiantar mais nada sobre o que pensa do Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) e insistindo que só tomará posição após a votação final global, Marcelo Rebelo de Sousa sustenta que durante o seu mandato as audiências com os partidos com assento parlamentar são trimestrais.

Já no que respeita às próximas reuniões com os partidos representados no Parlamento, o Orçamento do Estado para 2017 é uma boa razão para os convocar.

Marcelo Rebelo de Sousa falava este domingo aos jornalistas, num pavilhão de hóquei em patins em Genebra onde se encontrou com representantes da comunidade portuguesa, no início uma visita à Suíça.

Questionado sobre as audiências de quinta e sexta-feira, o chefe de Estado respondeu que chamou os partidos com assento parlamentar "para os ouvir sobre o Orçamento do Estado e a situação política portuguesa".

Eu de três em três meses ouço os partidos e agora há uma razão muito importante para os ouvir, que é o Orçamento e, por outro lado, o fecho do ano civil. No fundo, já estamos a dois meses a fim do ano. É uma boa razão para os ouvir", acrescentou Marcelo.

O Presidente da República reiterou, contudo, que não irá comentar o conteúdo da proposta do Governo.

Vou esperar para me pronunciar sobre o Orçamento, como vos disse, depois do dia 29 de novembro [data da votação final global no parlamento]", insistiu o Presidente.