O antigo Presidente da República Mário Soares considera que o Orçamento do Estado para 2014 é «horrível», acusando o Governo de maioria PSD/CDS-PP de querer acabar com o Estado Social e com a Constituição.

Questionado sobre a proposta de OE para 2014 que o executivo liderado por Pedro Passos Coelho apresentou na terça-feira, Mário Soares disse ainda não ter lido o documento, mas adiantou que o que ouviu é «horrível».

«Ainda não li o Orçamento, mas tanto quanto eu ouvi é horrível», afirmou, em declarações aos jornalistas no final de um almoço na Associação 25 de Abril, numa iniciativa promovida pelo blogue «ânimo», integrada nas comemorações do 40.º aniversário da «Revolução dos Cravos».

Confessando-se «cada vez mais» preocupado, o antigo chefe de Estado acusou o Governo de querer «acabar com o Estado Social» e «acabar com a Constituição».

Contudo, acrescentou, «mudar a Constituição é impossível», pois são necessários os votos de dois terços dos deputados na Assembleia da República.

Interrogado sobre o que deveria fazer o líder do PS para lutar contra as medidas propostas pelo Governo, Mário Soares remeteu a questão para António José Seguro.

Durante o almoço, além de recordar episódios relacionados com o 25 de Abril, Mário Soares falou ainda brevemente sobre a situação de «grande crise» em que está Portugal, reiterando as críticas ao Governo.

«Este Governo não só está a destruir completamente Portugal, vendendo tudo ao desbarato, como está a não cumprir a Constituição», disse, insistindo na necessidade de defender a democracia.

«Não basta falar, é preciso agir», frisou.

No final do almoço, o antigo chefe de Estado foi ainda inquirido sobre o livro que o antigo primeiro-ministro José Sócrates vai lançar na próxima semana sobre a tortura em democracia.

Interrogado se será o «regresso» de José Sócrates, Mário Soares disse apenas que o antigo primeiro-ministro «é hoje uma pessoa diferente do que era, porque fez durante dois anos um trabalho imenso no plano da filosofia e da política e ganhou muito com isso».