O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, lamentou a morte de António Almeida Santos, considerando tratar-se de "uma das figuras mais marcantes" da "implementação e evolução" da democracia portuguesa.

"É de facto uma das figuras mais marcantes deste percurso de 40 anos de implementação e evolução da nossa democracia", afirmou Luís Montenegro, que, numa declaração no parlamento exprimiu ao PS e à família, em particular à filha, a deputada socialista Maria Antónia Almeida Santos, o pesar do grupo parlamentar do PSD.

O líder da bancada social-democrata manifestou "grande respeito por todo o percurso do doutor Almeida Santos", e, sublinhando estar a falar no parlamento, realçou as suas "qualidades de orador, de eminente jurista e também o seu trabalho como presidente da Assembleia da República", disse à Lusa.

"Cruzei-me com ele já ele estava nas bancadas do PS. A última sessão que ele presidiu foi a primeira em que eu participei, em 2002. Várias vezes recordámos isso quando nos encontrámos", recordou.


"Guardo dele uma imagem de grande serenidade, de grande sabedoria, de grande competências, de grande isenção no exercício da função de presidente da Assembleia da República, que muito prestigiou e dignificou o parlamento português, a vida pública e a política portuguesa", declarou.

O antigo presidente da Assembleia da República e presidente honorário do PS morreu na segunda-feira em sua casa, em Oeiras, com 89 anos, pouco antes da meia-noite, depois de se ter sentido mal após o jantar.

O corpo de António Almeida Santos vai estar hoje, a partir das 17:00, em câmara ardente na Basílica da Estrela, em Lisboa, e será cremado na quarta-feira no cemitério do Alto de São João, também em Lisboa, pelas 14:00.