O socialista António Arnaut morreu aos 82 anos, em Coimbra. Arnaut, que foi cofundador do Partido Socialista (PS) e ministro dos Assuntos Sociais, ficou conhecido como o criador do Serviço Nacional de Saúde.

O advogado, que nasceu na Cumeeira, Penela, distrito de Coimbra, em 28 de janeiro de 1936, estava internado nos hospitais da Universidade de Coimbra.

O corpo de António Arnaut estará, a partir das 18:30, em câmara ardente na antiga igreja do Convento de S. Francisco, em Coimbra.

Na terça-feira, o corpo sairá às 16:30 da antiga igreja do Convento S. Francisco para o crematório da Figueira da Foz.

Presidente honorário do PS desde 2016, Arnaut foi ministro dos Assuntos Sociais no II Governo Constitucional, Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano e foi agraciado com o grau de Grande-Oficial da Ordem da Liberdade e com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade.

Poeta e escritor, Arnaut envolveu-se desde jovem na oposição ao Estado Novo e participou na comissão distrital de Coimbra da candidatura presidencial de Humberto Delgado.

Veja também: "A maior homenagem que se pode prestar a Arnaut" é "salvar o SNS"

O secretário-geral do PS, António Costa, decretou luto partidário, com a bandeira soicalista a meia haste em todas as sedes de país. Costa considerou que António Arnaut será recordado para a "eternidade" como "o pai" do Serviço Nacional de Saúde, resistente à ditadura e militante socialista "honrado".

O PS está de luto com o falecimento de António Arnaut, nosso presidente honorário. Fundador do PS, militante dedicado, honrou-nos como deputado à Assembleia Constituinte e à Assembleia da República e como governante", referiu, aqui numa primeira alusão às funções Arnaut desempenhou como ministro dos Assuntos Sociais no II Governo Constitucional liderado por Mário Soares.

"Para a eternidade todos o recordaremos justamente como o pai do SNS. À sua esposa, filhos e netos envio um abraço fraterno", acrescenta o líder socialista na sua nota.