O deputado do PSD Nuno Reis prevê serem desnecessárias mais medidas de austeridade ao analisar, no parlamento, os dados «positivos» da síntese de outubro da execução orçamental divulgados pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

«São positivos. Apraz-nos registar que o Estado está a conseguir não apenas aumentar a receita fiscal por via das medidas de combate à fraude e à evasão fiscais, mas também reduzir a despesa. São números que confirmam o que tinha sido a execução de setembro e que nos permitem dizer, com satisfação, que o Estado português cumprirá as metas com que se comprometeu internacionalmente sem necessidade de mais medidas de austeridade», afirmou.

O défice orçamental das administrações públicas ascendeu aos 5.959,1 milhões de euros até outubro, um aumento de quase 1.950 milhões de euros face ao mês anterior, segundo a DGO, embora com uma melhoria de 1.841,6 milhões de euros face ao período homólogo.

«Quer em outubro de 2011, quer em junho de 2013, o Estado português conseguiu junto da União Europeia melhorar significativamente as condições do empréstimo que tinha contratado com a ‘troika', o que resultou numa poupança acumulada de, salvo erro, 54.500 milhões de euros, entre 2013 e 2042», destacou o parlamentar social-democrata, quando questionado sobre o peso dos juros da dívida.

Nuno Reis lembrou ainda que «até o principal partido da oposição (PS), ultimamente, veio a admitir, que a solução para a dívida tem de ser sempre enquadrada em termos europeus e encarada com muita responsabilidade».

A DGO adiantou ainda que a receita fiscal líquida acumulada no Estado ascendeu a 30.282,2 milhões de euros, o que representa um crescimento de 6,8% face aos 28.345,9 milhões arrecadados no mesmo período de 2013.