"Aquilo que se justifica depois de 16 anos de uma liderança extraordinária, que deu ao CDS muitas vitórias, é uma homenagem justa", afirmou Nuno Melo aos jornalistas à chegada à sede nacional do partido, em Lisboa, onde decorre o Conselho Nacional centrista.




"Com certeza que não é este o tempo, há muito tempo para tudo o resto, hoje é o tempo do doutor Paulo Portas. Hoje é o tempo para lhes estarmos gratos, por essa dedicação extraordinária, em tempo e em qualidade, que ele dedicou ao CDS", afirmou.






"Uma candidatura se for única e agregadora poderá ter essa vantagem, de conseguir juntar todo o partido, se houver mais do que uma e permitir um diálogo que seja inclusivo, também será positivo", disse.


"Há hoje muita gente para pensar o partido do que propriamente uma sucessão. Não há uma discussão sobre nomes nomes, não há gente a querer pôr-se à frente de outros, há muita gente a discutir o partido, com serenidade surgirão as soluções", disse.