O primeiro candidato do CDS-PP na Aliança Portugal, Nuno Melo, defendeu que a presença de José Sócrates na campanha desrespeita «todos os portugueses que todos os dias se sacrificaram» para superar a «bancarrota».

«Os socialistas desrespeitam todos os portugueses que todos os dias se sacrificaram para superar essa bancarrota», afirmou Nuno Melo.

Falando num jantar comício em Aveiro, com o presidente do PSD e primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, o primeiro candidato centrista da coligação PSD/CDS-PP defendeu que o ex-primeiro-ministro socialista «um enorme fator de divisão do país».

«O PS opta por estratégia que, no limite, divide o país e mostra a fraqueza de Portugal perante o mundo», atacou o centrista perante cerca de duas mil pessoas.

Para Nuno Melo, com esta opção, os socialistas mostram que «não aprenderam nada com os erros cometidos até 2011».

«António José Seguro demonstra com isso que, afinal, o PS de 2014 continua refém do PS de 2011 e, se alguma vez voltar a ser poder, é o PS de 2011 que teremos, com as consequências que só agora começam a ser ultrapassadas», acusou.