O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, atribuiu a subida do desemprego à instabilidade criada pelo Governo, que não inspira confiança na atração de investimento, apontando reversões nas privatizações e em matérias laborais e fiscais.

Quando começou a haver instabilidade, quando começou a haver dúvidas sobre o caminho a seguir, reversões nas privatizações, reversões nas concessões dos transportes, reversões na reforma da matéria laboral, reversões na reforma fiscal - que captava através da descida do IRC o investimento -, houve um abrandamento dessa descida [do desemprego] e isso obviamente nos preocupa", afirmou Nuno Magalhães aos jornalistas no parlamento, nesta quarta-feira.

De acordo com as estatísticas do emprego hoje divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de desemprego subiu 0,3 pontos percentuais para 12,2% no quarto trimestre de 2015 face ao anterior, mas a taxa média anual caiu 1,5 pontos percentuais no ano passado em relação a 2014, para 12,4%.

"Quando houve estabilidade, quando houve investimento na captação de investimento, quando houve confiança para esses investidores conseguimos reduzir uma taxa superior a 17% para uma taxa inferior a 12%", argumentou Nuno Magalhães.

"Era expectável mas é uma pena que todo esse esforço possa, e estes números indicam isso, ser posto em causa", sublinhou o líder parlamentar centrista.

Segundo o INE, a população desempregada, estimada em 646,5 mil pessoas, diminuiu 11% em relação ao ano anterior (menos 79,5 mil pessoas).