O Presidente da República reagiu à morte de José da Silva Lopes, aos 82 anos, com pesar e destacando que o economista era um «economista de exceção» e uma «referência cimeira do pensamento económico português».

«Revelando um extraordinário sentido de dedicação à causa pública, José da Silva Lopes cedo foi chamado ao exercício de exigentes funções, tendo um papel determinante no aprofundamento da ligação de Portugal às instituições de cooperação económica internacional e, mais tarde, na nossa adesão às Comunidades Europeias»


Cavaco Silva enviou esta mensagem de condolências à família do ex-ministro e ex-governador do Banco de Portugal destacando, também, Silva Lopes «desempenhou ainda, em tempos de grande complexidade, funções como Governador do Banco de Portugal e de Ministro das Finanças e do Plano, evidenciando um invulgar conhecimento dos problemas económicos do país e um profundo amor à sua pátria».

«Com a morte de José da Silva Lopes, Portugal perde uma das suas vozes mais autorizadas, respeitadas e credíveis em matéria económica, que sempre se distinguiu pela independência e pelo rigor»


A mensagem está publicada no site da Presidência da República,

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho,  e o líder do principal partido oposição, António Costa, também destacaram a carreira e o papel importante que Silva Lopes desempenhou a servir o país.

A sua morte encontrou eco nos Estados Unidos, com o Nobel da Economia Paul Krugman a dedicar-lhe um artigo no «The New York Times» e a revelar que Silva Lopes foi uma «inspiração fundamental» para si.