Em vésperas da discussão da moção de confiança na Assembleia da República, os líderes parlamentares debateram na TVI as consequências da crise política, numa antevisão do debate desta terça-feira.

«Os 4,7 mil milhões de euros ou, de outro modo, a necessidade que nós temos de ter um Estado mais eficiente, que não sugue tantos recursos financeiros precisamente para que se possa libertar para a economia, é um desiderato que deve ser cumprido nesta legislatura (...) para que possamos aliviar a carga fiscal», reafirmou Luís Montenegro.

Já Carlos Zorrinho do PS defendeu que a reforma do Estado não existe e lembrou que o «papel do dr. Paulo Portas não existe», numa alusão à reforma do Estado que deverá ser apresentada pelo agora vice-primeiro-ministro. O líder parlamentar lembrou que para este tipo de reforma o PS não Está disponível.

Bernardino Soares, do PCP, lembrou que «quando tem que se mostrar força é porque não se tem essa força», referindo-se à moção de confiança que esta terça-feira chega ao Parlamento, depois de ter sido anunciada por Cavaco Silva numa comunicação ao país destinada a revelar a solução presidencial para a «salvação nacional» do país.