O governo português reitera a "vontade de continuar a aprofundar as relações bilaterais" com o Brasil. Num comunicado de apenas dois parágrafos enviado à TVI24, o Ministério de Augusto Santos Silva assume uma posição diplomaticamente esperada.

No momento da tomada de posse do Presidente Michel Temer, no cumprimento das disposições constitucionais brasileiras, o Governo português vem reiterar a sua vontade de continuar a aprofundar as relações bilaterais de excelência que ligam Portugal e o Brasil, alicerçadas num elo único e fraterno entre os dois povos", refere o primeiro parágrafo do comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O Executivo de António Costa lembra salienta ainda a próxima cimeira bilateral, com data ainda a anunciar, como um momento fundamental para reforçar o papel da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

A próxima cimeira bilateral, a realizar proximamente em Brasília, será mais um marco importante neste relacionamento tão especial, permitindo avançar nas relações bilaterais e trabalhar em conjunto, na esfera internacional, em prol da paz e do desenvolvimento e no reforço da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa", refere o segundo parágrafo do comunicado.

A posição portuguesa face ao novo presidente brasileiro Michel Temer, que desempenhava interinamente desde 12 de maio as funções de chefe de Estado, surge no dia seguinte à sua posse, na sequência da destituição de Dilma Rousseff.

A ex-presidente brasileira foi destituída pelo voto de 61 dos 81 senadores do país. Por ter assinado três decretos de créditos suplementares em 2015 sem autorização do Congresso e por ter usado dinheiro de bancos públicos em programas do Tesouro, realizando manobras contabilísticas, as popularmente chamadas "pedaladas fiscais".

Dilma Rousseff tornou-se a primeira Presidente deposta no Brasil depois do fim do regime militar na década de 1980.