Ter no telemóvel a carta de condução ou o cartão do cidadão poderá ser uma realidade no próximo ano, tal como outras medidas previstas no Simplex + 2017, como o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça.

De acordo com o gabinete da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, o Simplex + 2017 prevê o pagamento de IMI de uma forma mais simples, ou seja, "ao facilitar o pagamento do IMI em prestações, comunicando logo na primeira notificação as referências para o pagamento de todas as prestações".

Esta é uma medida que envolve o Ministério das Finanças, está dirigida a cidadãos e empresas e tem como prazo de implementação o primeiro trimestre de 2018.

"Mais de 250 propostas"

O Simplex + 2017, que será divulgado esta segunda-feira recebeu "mais de 250 propostas" até ao momento, de acordo com o gabinete da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa.

Ao longo dos últimos meses, "os cidadãos tiveram oportunidade de deixar as suas sugestões de medidas no Livro Simplex (www.simplex.gov.pt/livro) e, "até ao momento, tinham chegado mais de 250 propostas", segundo o gabinete da ministra Maria Manuel Leitão Marques.

Para o programa de 2017, foi ainda criado o Simplex Jam, que "resultou da vontade e da necessidade de incluir os funcionários da Administração Pública na construção das medidas", ou seja, funcionários de diferentes serviços do Estado juntaram-se em espaços de debate para, em grupo, pensarem nas propostas.

Segundo o Governo, "133 funcionários, de diferentes áreas e funções distintas, provenientes de diversos pontos do território" debateram o tema e daí "saíram 222 propostas".

Simplex + 2016

Relativamente ao Simplex + 2016, apresentado em maio do ano passado, o gabinete da Presidência e da Modernização Administrativa adiantou que a taxa de execução "está em linha com as percentagens apresentadas em anos anteriores".

O sucesso do Simplex + 2016 é tal que se dá o caso de existirem 14 medidas plurianuais já implementadas (cujo prazo de implementação era posterior a maio de 2017)", refere o Governo.

Em 22 de fevereiro, a ministra da Modernização Administrativa tinha afirmado que a média da taxa de execução do programa de 2016, que tinha entre as medidas a entrega do IRS automático, era de 62%.