Miguel Relvas foi vaiado, esta quarta-feira, no Museu Histórico Nacional no centro de Rio de Janeiro.

Um grupo de portugueses juntou-se à entrada do edifício e protestou contra a homenagem ao ex-ministro.

O evento celebrava o 102º aniversário da Câmara Portuguesa do Comércio e Indústria do Rio de Janeiro e teve como mestre de cerimónias Ricardo Pereira.

Segundo a organização, a cerimónia «homenageou empresários e personalidades que se destacaram no incremento das relações bilaterais ao longo deste ano», tais como Ricardo Lima, presidente da Cimpor, António Mexia, presidente executivo da EDP, Nuno Fernandes Thomaz, presidente do Banco Caixa Geral Brasil, e Fernando Teles, presidente do concelho administrativo do Banco BIC Português S.A.. Na lista constavam ainda Jorge Mendes e Mariza.

O grupo de portugueses acabou a distribuir panfletos com o «curriculum verdadeiro» de Miguel Relvas, uma vez que foi impedido de entrar no recinto depois de tentarem congratular o ex-ministro pelo «bem estar que trouxe ao país».