Miguel Portas «viveu a política de forma intensa»

Eurodeputada Marisa Matias recorda colega de partido

Por: Redação / FC    |   25 de Abril de 2012 às 19:32
A eurodeputada do BE Marisa Matias recordou o colega de partido Miguel Portas, que morreu na terça-feira, descrevendo-o como um «colega e amigo de exceção» que «viveu a vida, como a política, de forma intensa».

«Miguel Portas permitiu-nos sonhar muito para além daquilo que muitas vezes achámos possível. Infelizmente partiu cedo de mais e não conseguiu concretizar muitos dos projetos que definiu, mas estou certa que aqueles que conseguiu mudaram muito a vida das pessoas para melhor», sublinhou a eurodeputada, em declarações aos jornalistas portugueses no Parlamento Europeu, em Bruxelas.

«Vai-nos fazer muita falta» e «foi uma honra e um privilégio estar na equipa do Miguel Portas», acrescentou.

O velório do eurodeputado Miguel Portas, que morreu na terça-feira, na Bélgica, decorrerá no próximo sábado, no Palácio Galveias, em Lisboa, seguindo-se uma «sessão evocativa» no dia seguinte, revelou hoje o coordenador do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã.

«O corpo [de Miguel Portas] será trasladado para Portugal, o velório decorrerá no sábado no Palácio Galveias, na biblioteca municipal, um espaço cedido pela Câmara Municipal de Lisboa, a quem agradeço, e haverá uma sessão evocativa, com os amigos, no domingo à tarde, seguindo aliás as indicações que ele nos deixou. E com o convite a todas as pessoas que se queiram associar e que partilharam em algum momento das suas ideias, das suas intenções, do seu sorriso, dos seus combates. Ali os esperamos», disse Francisco Louçã, numa declaração aos jornalistas no Parlamento.

Miguel Portas, que foi também um dos fundadores do Bloco de Esquerda, morreu na terça-feira à tarde, aos 53 anos, no Hospital ZNA Middelheim, em Antuérpia, vítima de cancro.
Partilhar
EM BAIXO: Rui Tavares
Rui Tavares
COMENTÁRIOS

PUB
Governo «desconfortável» com a situação dos professores

Quase 10% dos horários das escolas abrangidas pela bolsa de contratação continuam sem docentes. Ministério da Educação revela que há 250 horários por preencher. «Nós estamos desconfortáveis porque aquele trabalho não deveria ter sido feito e detetou um erro e esse erro é lamentável», admitiu o secretário de Estado