O ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, disse esta quinta-feira que o programa eleitoral do Partido Socialista (PS) aposta num crescimento que nunca será sustentável, porque é baseado no consumo interno.

"O programa do Partido Socialista contém inúmeras incertezas e contradições e apenas uma única grande certeza: aquela do regresso à aposta na promoção do crescimento com base no consumo interno. E nós enquanto país, infelizmente, já sabemos bem a que é que leva a aposta num crescimento assente no consumo interno, que gera dívida, desequilíbrios externos, mais impostos e portanto é um crescimento que nunca será sustentável", disse Miguel Poiares Maduro.

Em declarações à agência Lusa, na Figueira da Foz, à margem da sessão comemorativa do 180º aniversário da Associação Comercial e Industrial local, o governante defendeu que Portugal tem de "continuar o caminho" do crescimento económico sustentável "assente numa economia cada vez mais competitiva e não assente num aumento artificial do consumo".

Poiares Maduro classificou ainda de "curioso e talvez revelador" que uma das propostas que tem suscitado "mais interesse" - a exigência de que um futuro plano de grandes obras públicas tenha de ser aprovado por uma maioria de dois terços do Parlamento - "seja uma promessa para aplicar a partir de 2020".

"Que, aliás, exige também uma revisão da Constituição que o líder parlamentar do PS [Ferro Rodrigues] disse que era uma questão que não se colocaria nos próximos quatro anos", sustentou o ministro.

Para Miguel Poiares Maduro, esta "promessa" do secretário-geral do PS António Costa "ignora muita das normas e regras que este Governo adotou para o próximo quadro [comunitário], para exigir precisamente grande critério nos investimentos públicos que vão ser feitos".

O PS divulgou na quarta-feira o seu projeto de projeto de programa eleitoral cuja versão final será aprovada a 06 de junho.