O PSD considera que existem «boas razões» para acreditar que a meta orçamental de 4% será cumprida, assinalando que o défice das contas públicas do primeiro trimestre ficou cerca de 50% abaixo do definido pela troika.

«O défice das contas do primeiro trimestre ficou em cerca de 50% abaixo do limite que tinha sido definido pela troika e ficou cerca de 40% abaixo em relação ao défice do mesmo período do ano passado. Portanto, há progressos evidentes na consolidação orçamental», afirmou o vice-presidente da bancada do PSD Miguel Frasquilho, esta quarta-feira, em declarações aos jornalistas no Parlamento.

De acordo com um comunicado do Ministério das Finanças, que cita números da síntese da execução orçamental de março, que será ainda hoje publicada pela Direção-Geral do Orçamento, o défice das administrações públicas foi de 825 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, o que significa que foi cumprido o limite trimestral para o défice orçamental definido no programa de resgate.

Até março, o défice provisório das administrações públicas atingiu os 825 milhões de euros, o que significa que ficou «845 milhões de euros abaixo do limite», um resultado que representa «uma melhoria de cerca de 525 milhões de euros face a igual período de 2013», segundo o comunicado da tutela.

Assinalando que os números agora conhecidos revelam «boas indicações do lado da receita, nomeadamente em termos de arrecadação em sede de IRS e em sede de IVA, em linha com a melhoria da atividade económica», Miguel Frasquilho sublinhou igualmente o controlo da despesa verificado.

«Temos boas razões para acreditar que a meta orçamental de 2014 de 4% do défice neste ano possa ser cumprida», antecipou.

Miguel Frasquilho destacou também o «bom resultado» do leilão dívida pública desta manhã, frisando que se registou «uma taxa de juro mínima a 10 anos, em quase 10 anos».

Esta manhã foram colocados 750 milhões de euros de dívida pública a dez anos a uma taxa média de 3,5752%, naquele que foi o primeiro leilão de dívida sem recurso a sindicato bancário desde 2011.