Membros do Movimento de Intervenção e Cidadania (MIC), fundado por Manuel Alegre, reagiram com «indignação» às palavras do dirigente nacional do PS José Lello, que acusou o ex-candidato presidencial de «falta de carácter», escreve a Lusa.

Na RTPN, comentando a afirmação de Manuel Alegre de que admitia candidatar-se como independente a deputado em eleições legislativas se a Constituição da República o permitisse, José Lello considerou essa posição como «falta de solidariedade» em relação ao PS «a raiar a falta de carácter».

«Como elemento do MIC, considero ser um acto de cidadania reagir quando pessoas com responsabilidade neste país têm atitudes que pouco dignificam a classe a que pertencem, neste caso a classe política», contrapôs Maria do Rosário Gama, militante do PS/Coimbra e uma das principais activistas do movimento contra a avaliação dos professores.

Para a presidente do Conselho Executivo da Escola Secundária D. Maria, «o combate político é legítimo e a democracia permite a diversidade de opiniões, mas há limites que não devem ser ultrapassados e esses foram-no quando José Lello faz um ataque ao carácter de Manuel Alegre».

«Os homens de carácter são a consciência da sociedade a que pertencem e o Manuel Alegre, com a sua fidelidade aos princípios e a sua coerência política, merece o respeito de muitos milhares de pessoas», acrescentou.