«Existe aqui um problema, que é jurídico, complexo, em que aparentemente os operadores internos de outros países, como é o caso do que ganhou o concurso [a espanhola TMB], não poderiam concorrer», sustentou.