O PS defendeu esta sexta-feira que os portugueses rejeitaram nas urnas “os caminhos que agravaram profundamente as incertezas e os problemas sociais”, numa reação à afirmação do Presidente da República de que se vive “um tempo de incerteza”.

“A maioria dos portugueses expressou-se nas últimas eleições legislativas por uma mudança de políticas, rejeitando os caminhos que agravaram profundamente as incertezas e os problemas sociais”, disse à agência Lusa a secretária-geral adjunta do Partido Socialista (PS), Ana Catarina Mendes, em reação ao discurso de Ano Novo do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, o último do seu mandato.


Cavaco Silva afirmou que se vive "um tempo de incerteza" e que há "um modelo político, económico e social a defender", que é aquele que vigorou nas últimas décadas.

Na reação, Ana Catarina Mendes saudou a confiança manifestada por Cavaco Silva na “capacidade dos portugueses dos mais diversos setores da nossa sociedade, para superar os desafios do presente e do futuro”, e contrariou a ideia da incerteza defendendo que os portugueses têm confiança na atuação do atual executivo.

“Os portugueses que fazem Portugal todos os dias têm hoje confiança num Estado que cumpre a Constituição, repondo salários e pensões devidas. Têm confiança num Governo que cumpre o que prometeu, eliminando a sobretaxa que asfixia a classe média. Têm confiança em que as dificuldades do sistema financeiro não se disfarçam, mas enfrentam-se e resolvem-se com coragem. Os portugueses vivem um tempo novo, de confiança, em que a democracia garante sempre alternativas e não está condenada ao pensamento único.”