O PSD destaca que o corte no financiamento que o Ministério da Educação e Ciência prepara é «bem menor do que os anteriores», com mais «critérios de qualidade e resultados», louvando o «esforço notável» das instituições do Ensino Superior.

«Este corte é bem menor que os anteriores e temos a certeza de que a nova fórmula de cálculo do financiamento, com claros incentivos à qualidade e aos resultados, pode ajudar a incentivar as instituições a gerirem ainda melhor os nossos recursos. Reafirmo que as instituições do Ensino Superior têm sido um dos melhores exemplos em Portugal na sua gestão financeira», referiu o deputado social-democrata Duarte Marques à Lusa.

O secretário nacional do PS António Galamba tinha condenado as intenções governamentais para 2015, já depois de o executivo da maioria PSD/CDS-PP «ter cortado 30 milhões euros nas universidades e nos politécnico em 2014, de ter anunciado que afinal reporia o pagamento desses 30 milhões e de não ter honrado a palavra dada, pois só pagou 22 milhões».

«O Governo de Pedro Passos Coelho vai cortar mais 14 milhões de euros na educação dos portugueses», lamentou Galamba.

Para Duarte Marques, «a reação do PS não faz qualquer sentido e apenas se justifica pelo período eleitoral que atravessa», uma vez que «o PS de (António José) Seguro aproveita esta oportunidade para tentar marcar pontos na sua disputa interna e não apresenta qualquer alternativa para reformar o ensino superior, tal como não o fez os últimos anos».

«As verbas para a ação social mantêm-se e entram em vigor dois novos programas: o Mais Superior, dirigido a levar novos alunos às instituições do interior e que têm mais dificuldades, e o Retomar, destinado a fazer regressar os alunos que abandonaram o ensino por questões financeiras», afirmou.

O deputado «laranja» reiterou que «as instituições do Ensino Superior têm feito um esforço notável para se adaptarem aos cortes orçamentais dos últimos anos» e que «este corte de 1,5% para o próximo ano aplica-se as despesas de funcionamento e novas infraestruturas, o que não pode afetar a qualidade».