O dirigente do Movimento Alternativa Socialista (MAS) Gil Garcia afirmou esta quinta-feira que o partido está aberto a uma discussão alargada para uma coligação, e classificou como erro as novas forças políticas candidatarem-se isoladamente às eleições legislativas.

«É um erro as diversas forças da esquerda alternativa, ou das diversas forças alternativas, irem divididas às próximas eleições», disse à Lusa Gil Garcia, que além de dirigente do MAS também integra o movimento Junto Podemos.

O dirigente do MAS avançou ainda que «vai ser discutida a possibilidade de fazer um encontro com todos, para uma confluência e eventual coligação com várias destas forças».

Quanto aos possíveis parceiros considerou «o [movimento] Tempo de Avançar, o LIVRE, o MPT, o próprio Bloco [de Esquerda], a Joana Amaral Dias e o Nuno Ramos de Almeida [antigos membros do movimento Juntos Podemos] e com o movimento Juntos Podemos», comparando com o partido grego Syriza (também ele uma coligação de partidos de esquerda radical), e que venceu as últimas eleições helénicas.

Acerca dos diversos movimentos políticos em formação, Gil Garcia considerou que «é bom surgirem novas forças, isso não é um problema, o que é negativo é surgirem demasiadas e todas elas divididas».

Contactada pela Lusa, Manuela Magno do movimento Juntos Podemos referiu que também não descarta a possibilidade de uma coligação com várias forças políticas, porém «tem que se criar condições».

Quanto a uma eventual coligação com o MAS, Manuela Magno afirmou que «essa questão nunca foi posta dentro do movimento» alegando que ainda não são um partido político.

Manuela Magno adiantou que o movimento ainda se encontra «em fase de recolha de assinaturas» para serem entregues no Tribunal Constitucional, de modo a formalizar o movimento como um partido político.

O movimento Juntos Podemos convocou uma assembleia cidadã para o próximo sábado, dia 28 de fevereiro, em Coimbra, confirmou a dirigente.

Após as saídas de Joana Amaral Dias e de Nuno Ramos de Almeida, o coordenador e porta-voz Diogo Ferreira também deixou o movimento Juntos Podemos, na passada quarta-feira.