O ministro da Presidência reconheceu esta quinta-feira que todos os executivos gostam de apresentar "medidas favoráveis", mas vincou que "responsavelmente" o Governo entende que a reposição de rendimentos deve ser feita gradualmente.

"Todos os governos em democracia gostariam necessariamente de antecipar a reposição de rendimentos, baixar impostos, todas as medidas favoráveis e populares estarão sempre no objetivo de qualquer governo em democracia", vincou Luís Marques Guedes na conferência de imprensa que se seguiu à reunião de hoje do Conselho de Ministros.


O governante havia sido questionado sobre as propostas económicas do PS e dos acordos firmados pelo partido com outras forças políticas à esquerda.

Embora vincando que essa matéria deve integrar o "debate político-partidário", Marques Guedes sublinhou que o executivo não optou no seu programa pela reposição integral de rendimentos porque entendeu "que o país não tem condições para o fazer a não ser em gradualismo".

"Sobre a bondade ou irresponsabilidade das propostas apresentadas [pelo PS], deixo esse juízo para o debate político-partidário", prosseguiu o governante.

A conferência de líderes parlamentares agendou na quarta-feira o debate de projetos do PS sobre devolução de salários na Função Pública e sobretaxa de IRS mais rápida do que a prevista pelo Governo. Inicialmente, estava marcada para dia 20 de novembro a discussão de propostas de lei do Governo relativas à reposição salarial e à sobretaxa, mas a maioria de esquerda e o presidente da Assembleia decidiram que as iniciativas do Governo caducaram, levando o PSD e CDS-PP a assumir estes diplomas.