O ministro da Presidência e Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, disse, esta terça-feira, que o Governo «está muito coeso», tal como os partidos da coligação que o sustentam, na sequência dos resultados das eleições autárquicas realizadas no domingo.

«O Governo está muito coeso e os partidos que apoiam o Governo também», afiançou o ministro.

Questionado pelos jornalistas, em Évora, sobre os resultados eleitorais das autárquicas e a necessidade da realização de um congresso nacional extraordinário do PSD, Luís Marques Guedes escusou-se a tecer mais comentários.

«Estou aqui para falar das fundações, não estou [para falar] do Governo. Mas fique descansado que o Governo está coeso», limitou-se a acrescentar.

O ministro da Presidência dos Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares falava aos jornalistas à margem do XIII Encontro Nacional de Fundações, que decorre em Évora.

O PSD agendou para esta terça-feira, a partir da tarde, reuniões dos principais órgãos do partido, começando com um encontro da comissão permanente, depois da comissão política nacional e terminando, à noite, com uma reunião do conselho nacional, órgão máximo dos sociais-democratas entre congressos.

Os resultados eleitorais de domingo deverão ser um dos assuntos em análise nestes encontros, tendo algumas figuras nacionais do partido, como Luís Marques Mendes, defendido já a antecipação do congresso do PSD, por uma questão de clarificação e, eventualmente, para renovar algumas caras.

Fruto das eleições autárquicas, o PS é agora o partido com mais presidentes de câmara eleitos, 150, segundo os dados finais da Direção-Geral de Administração Interna (DGAI).

O PS conseguiu 149 câmaras concorrendo sozinho e uma no Funchal, em coligação, enquanto o PSD, sozinho ou em coligação, conseguiu 106 município: 86 em listas próprias e outras 20 em coligações.

A CDU, com um total de 34 câmaras, reconquistou alguns municípios, como Loures, Évora, Beja, Grândola e Cuba.

O CDS conseguiu vencer cinco câmaras e o BE perdeu o único concelho que governava, Salvaterra de Magos, tendo os independentes conquistado a presidência de 13 municípios.

A abstenção foi a mais alta de sempre em autárquicas, situando-se nos 47,4 por cento.