“Mesmo que o ministro tivesse agenda, poderíamos ter a situação insólita de ter o ministro a falar do esboço, quando o orçamento já deu entrada na Assembleia”, disse João Galamba.