O ministro das Finanças disse esta sexta-feira que está “tranquilo” quanto à reação do PCP e Bloco de Esquerda ao Orçamento do Estado deste ano, uma vez que considera que as medidas que constam do documento se enquadram nos acordos assinados.

“Em relação aos acordos, estas medidas que estão incluídas neste Orçamento e os princípios que governam este Orçamento cumprem todos os items acordados com os partidos que têm acordos com o Partido socialista, e nesse sentido o Governo está tranquilo no seu cumprimento”, disse Mário Centeno, em conferência de imprensa no Ministério das Finanças, em Lisboa.


O governante esteve a apresentar esta sexta-feira o esboço do Orçamento do Estado deste ano, em que o Governo prevê em termos macroeconómicos um crescimento da economia de 2,1% e um défice orçamental de 2,6% do Produto Interno Bruto (PIB).

Do documento constam ainda aumentos nos impostos do selo, sobre os produtos petrolíferos e sobre o tabaco e as já conhecidas reposição salarial na função pública e redução da sobretaxa do IRS.

O Partido Ecologista "os Verdes" (PEV) já admitiu que irá votar favoravelmente a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2016, adiantando que, numa primeira análise, o seu teor corresponde ao acordado com a sua força política.

"A bitola do nosso sentido de voto será a correspondência com o acordo estabelecido com o PS e, daquilo que se conhece do Orçamento, parece-nos que está em sintonia com esse acordo. Daquilo que se conhece, parece-nos que este Orçamento encaixa perfeitamente no acordo estabelecido entre o PS e o PEV, mas ainda vamos analisar em detalhe o documento", disse o dirigente ecologista José Luís Ferreira em conferência de imprensa, na Assembleia da República.