PS, PSD e CDS-PP mostraram-se esta terça-feira contra os projetos do PCP e do BE para a reintegração do Arsenal do Alfeite na Marinha, alegando que é cedo para fazer balanços sobre o modelo atual de sociedade anónima.

De acordo com a Lusa, o deputado do PS Miguel Medeiros afirmou que a bancada socialista não vê razões para alterar a posição que teve o ano passado, quando votou contra propostas idênticas em plenário, ao lado do PSD e do CDS-PP.

Admitindo que o modelo instituído em 2009 pelo então governo de José Sócrates - sociedade anónima - possa ser "aperfeiçoado", Miguel Medeiros considerou que "é cedo" e que é preciso "dar tempo" para que o modelo possa provar o seu funcionamento.

O deputado falava na comissão parlamentar de Defesa Nacional, que aprovou esta terça-feira o relatório sobre os projetos do BE e do PCP que propõem a reintegração do Arsenal do Alfeite na orgânica da Marinha, que seguirão para discussão em plenário.

PCP e BE, partidos que estiveram ausentes esta terça-feira da reunião da comissão parlamentar, sustentam nos respetivos diplomas que sete anos passados após a passagem a sociedade anónima, não só não se fizeram sentir quaisquer melhorias como se registou uma degradação das capacidades do Arsenal.

"Os resultados destes últimos cinco anos que precederam esta transformação não foram positivos. Houve um corte efetivo de trabalhadores, tendo sido desperdiçado `know-how´ da empresa (…) A par disso, a empresa não se restruturou nem se modernizou nos anos referidos. Pelo contrário, tem-se assistido a uma degradação do estaleiro", refere o diploma do BE.

No seu diploma, o PCP considera ainda urgente que o Governo recapitalize o Arsenal do Alfeite, mantendo-o na tutela do Estado e revertendo uma operação financeira feita em 2010 que consistiu na transferência, através da EMPORDEF, de cerca de 17 milhões de euros destinados ao Alfeite para os Estaleiros Navais de Viana do Castelo.

Na reunião desta terça-feira, o deputado do CDS-PP João Rebelo recordou este episódio, considerando que constituiu uma "machadada muito complicada" para o Arsenal, cujo modelo de sociedade anónima disse ter sido uma ideia boa mas que está a ter problemas burocráticos que carecem de resolução.

Pelo PSD, Bruno Vitorino considerou também que é necessário dar mais tempo e que o "Arsenal do Alfeite, SA" provou nos últimos sete anos "algumas virtudes", afirmando esperar que o atual governo consiga repor os 17 milhões de euros que lhe eram inicialmente destinados.

Sublinhando falar a título pessoal, o deputado do PS João Soares admitiu alguma "simpatia" pela ideia de manter o Arsenal do Alfeite na tutela da Marinha, considerando que foi "um disparate" impor a passagem daquela infraestrutura a sociedade anónima, em 2009, e admitindo que "não estão reunidas as condições políticas" para alterar novamente o modelo.